Loja Virtual:

Jipeiros On-Line:

Nenhum

Agenda de eventos:

<<  Maio 2018  >>
 Dom  Seg  Ter  Qua  Qui  Sex  Sáb 
    1  2  3  4  5
  6  7  8  9101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Classificados:

mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterHoje479
mod_vvisit_counterOntem1297
mod_vvisit_counterEsta Semana4448
mod_vvisit_counterSemana Passada9526
mod_vvisit_counterEste Mês37638
mod_vvisit_counterMês passado20543
mod_vvisit_counterTotal7048691

Visitantes: 40
Seu IP: 54.196.110.222
,
Horário: 09:49 23/05/2018
Última Travessia da Estrada do Inferno 2007 PDF Imprimir E-mail
(0 votos, média de 0 em 5)
Trilhas: Província de São Pedro
Escrito por Daniel Oliveira   
Ter, 22 de Maio de 2012 13:56

A estrada BR-101, chamada de translitorânea, também denominada Rodovia Governador Mário Covas (a partir de 2001), que tem o seu ponto inicial em Touros (RN), e o ponto final em São José do Norte (RS), com uma extensão de 4.551,4 Km. Atravessa os estados do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

  
A Estrada do Inferno iniciava no, hoje, município de Capivari do Sul e terminava em São josé do Norte, no Rio Grande do Sul, trilha iniciada pelos tropeiros de gado e na época teve a denominação de "Estrada Real".

  
Quando Mostardas era o município mais isolado do Rio Grande do Sul, não havia estrada e sim um caminho, foi fundada a Empresa de Transportes Coletivos, possuindo apenas um ônibus.

  
Estelino Ludovico Bitencourt nasceu em Tubarão no dia 17/06/1927, chegou em Mostardas por volta de 1950, e iniciou sua vida como caminhoneiro.

  
No ano de 1964 a empresa de ônibus foi adquirida por Estelino que a transformou na Empresa LB. Ao final a empresa contava com trinta e dois ônibus. Naquela época uma viagem a Porto Alegre levava em média doze horas, num ônibus Ford 1948.

 

Estelino conta como foi a história do Cyborg: "A ideia de construir um ônibus especial surgiu logo que adquiri a empresa. Em 1966 encontrei em um ferro velho, em Porto Alegre, um caminhão do Exército, era importado de fabricação norte-americana". 

 
As dificuldades eram tantas que o empresário virou inventor. Em 1967, Estelino resolveu construir um ônibus capaz de passar sem atolar pela Estrada do Inferno. Comprou um caminhão. Na firma Boelter nós alongamos o chassi, adaptamos um motor e caixa de Mercedes, e também uma carroceria usada, três diferenciais, tração em dez rodas, 42 lugares. Este serviço levou um ano. A velocidade máxima era de 60 km por hora, mas normalmente andava a 15 km por hora, era o que a estrada permitia. O povo foi quem batizou o ônibus de Cyborg, lembrando o seriado da TV onde o homem biônico com sua força imensa resolvia qualquer problema.

 
A primeira viagem foi em 1967 e o motorista era o próprio Estelino. A força do Cyborg impressionava. Só a caixa de transferência pesava 180 kg. A altura do chassi era de 60 cm do chão. Isso garantia cruzar os trechos ruins sem atolar. No Cyborg nós engatávamos outro ônibus comum e o rebocávamos até Capivari do Sul, quando a estrada melhorava. O Cyborg atuou na Estrada do Inferno por seis anos.

 

O ex-prefeito Luis Martins Concede Título de Cidadão Mostardense ao Sr. Estelino Ludovico Bitencourt e quis comprar o Cyborg para colocar em uma praça da cidade, como homenagem aos serviços prestados pelo veículo. "Eu na época disse ao prefeito que doaria o Cyborg para o município. Mas infelizmente o Dr. Luis Martins morreu e a coisa foi esquecida". O Cyborg acabou sendo desmontado porque já não existiam peças de reposição.

 

Estelino comenta: "Era desesperador. Nós saíamos sem horário para chegar. Da estrada só tínhamos promessas". Cada viagem era um desafio. 

 

Texto: Etelvina Maria Machado Velho (Tuva).
Fotos: Cedidas por Heloiz Azevedo.

  

Assista agora a última travessia realizada pelo Grupo de Jipeiros do Província 4x4 na Estrada do Inverno em 2007, onde a estrada ganhava seu tão esperado asfalto.

 


 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar