Loja Virtual:

Jipeiros On-Line:

Nenhum

Agenda de eventos:

<<  Maio 2018  >>
 Dom  Seg  Ter  Qua  Qui  Sex  Sáb 
    1  2  3  4  5
  6  7  8  9101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Classificados:

mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterHoje1256
mod_vvisit_counterOntem2407
mod_vvisit_counterEsta Semana9432
mod_vvisit_counterSemana Passada9526
mod_vvisit_counterEste Mês42622
mod_vvisit_counterMês passado20543
mod_vvisit_counterTotal7053675

Visitantes: 45
Seu IP: 54.167.216.239
,
Horário: 13:33 25/05/2018
Mundo Off-Road
Mundo 4x4 - 13/05/2012 PDF Imprimir E-mail
Mundo Off-Road
Escrito por Daniel Oliveira   
Qua, 16 de Maio de 2012 00:34

Mundo 4x4 - Confira o utilitário esportivo Compass

No Mundo 4x4 dessa semana vamos testar a novidade da jeep para o mercado brasileiro, o utilitário esportivo Compass. O Chakal mostra um paraíso do 4x4, muitos veículos e peças, em um lugar cheio de histórias. Para os que queria o roteiro detalhado da Expedição Fim do Mundo preparamos uma matéria especial, falando das cidades e principais atrações de cada região. E ainda tem uma trilha de tirar o folego, 98 carros e muito barro acelerando em lavouras de arroz.

 

 
Mundo 4x4 - 29/04/2012 PDF Imprimir E-mail
Mundo Off-Road
Escrito por Daniel Oliveira   
Seg, 30 de Abril de 2012 07:54

Programa mostra um jipe Willys com carroceria de fibra e motor de santana 2.0

No Mundo 4x4 deste domingo, 29, Chakal mostra um jipe Willys, com carroceria de fibra, motor de santana 2.0 e transmissão de Chevet. Confira também uma dica sobre Bid Lock e ainda uma entrevista com dois brasileiros que participaram de uma das provas de rally mais longas do mundo, realizada em 1978.

 
Mundo 4x4 - 22/04/2012 PDF Imprimir E-mail
Mundo Off-Road
Escrito por Daniel Oliveira   
Seg, 23 de Abril de 2012 15:59

Veja o o último episódio da Expedição Fim do Mundo

No Mundo 4x4 deste você confere a primeira de uma série de matérias sobre a Expedição Fim do Mundo. O Chakal encarou 22 dias de viagem para chegar até o Uhsuaya, no extremo sul do continente americano, curtindo a beleza dos caminhos fora de estrada. Como não podia faltar, tem também um test-drive com um jipão restaurado, que está bonito demais. Além disso, você conhece a versão 2013 da Nissan Frontier e no quadro Oficina, nós mostramos um kit para a proteger as principais peças da sua viatura.

 
J.C. Dom Feliciano na 10ª Trilha de São Gabriel PDF Imprimir E-mail
Mundo Off-Road
Escrito por Daniel Oliveira   
Qua, 18 de Abril de 2012 08:26

 

 
Mundo 4x4 - 15/04/2012 PDF Imprimir E-mail
Mundo Off-Road
Escrito por Daniel Oliveira   
Seg, 16 de Abril de 2012 09:35

Confira o penúltimo episódio da Expedição Fim do Mundo

O Mundo 4x4 deste domingo, dia 15, mostra o penúltimo episódio da expedição Fim do Mundo. Veja também a transformação de um jipe Willys com entre-eixos alongado, motor de opala seis cilindros e caixa de f-1000. O programa mostra ainda uma dica sobre o bloqueio de diferencial e as histórias do quadro Eu Aventura.

 
Mundo 4x4 - 08/04/2012 PDF Imprimir E-mail
Mundo Off-Road
Escrito por Daniel Oliveira   
Qua, 11 de Abril de 2012 08:11

Conheça um mecânico fera em adaptações

No Mundo 4x4 desse domingo, dia 8, o Chakal vai testar um jipe willys, grande e muito resistente. Vamos entrar na oficina e conhecer um mecânico bom de adaptações. Tem também mais um episódio da expedição Fim do Mundo, as histórias do quadro Eu Aventura, e ainda as imagens incríveis da internet.
 
Transamazônica Challenge 2012 chega ao final. PDF Imprimir E-mail
Mundo Off-Road
Escrito por Daniel Oliveira   
Seg, 09 de Abril de 2012 09:07

 

Não acordamos cedo, afinal tínhamos que nos preparar com calma para irmos tentar chegar a Lábrea. No começo da manhã nos despedimos dos companheiros Giovanni, Jair, Nicolas e Hélio. Agora só restavam do grupo inicial eu, Leandro, Landry, Cabaré, Marcão e Hugo, éramos quatro carros e um desejo de tentar chegar a Lábrea, enquanto todos diziam que não era possível devido a estrada.
 
Arrumamos os carros, guinchos prontos, pontos de ancoragem ok, cintas já nos pontos de ancoragem e fora dos veículos, Hi-lift a mão, compramos água, cerveja, comida e tudo necessário para uns 4 dias de acampamento. Como já era meio-dia resolvemos almoçar e seguir viagem. Na entrada da estrada para Lábrea uma foto do grupo e seguimos em frente. Sol de rachar, era bom, pois assim seca mais os atoleiros e facilita nossa passagem.
 
Chegamos na primeira balsa, de cinco, e a correnteza do rio era forte, quase 1 hora para fazer a travessia com os quatro carros na balsa e a correnteza jogando a balsa longe do ponto de descida. Passamos a balsa e a noticia era de atoleiros pela frente, atoleiros esses que foram surgiram, mas como fazia Sol forte estavam mais fáceis de ultrapassar, ainda mais com veículos preparados. Começou a chover a um festival de escorregadas e quando víamos estávamos com o carro enviesado ou caindo nas valetas. Cabaré deu a primeira atolada e foi aquela zona.
 
Seguimos em frente e os atoleiros aumentando, fui abrindo a trilha e as horas passando, já era quase quatro da tarde quando atolei em um grande atoleiro, na verdade mais de 500mts de atoleiro puro, uma bela imagem para quem curte o off road puro.
 
Cabaré tentou vir por cima para me puxar, atolou, Marcão veio com a Ranger e atolou também, pedi para que o Hugo ficasse fora do atoleiro com a 110, seria para uso de emergência. Usamos o guincho do Troller para ancorar Marcão e tirar o Troller da vala, saiu, mas atolou novamente, atolado puxou com o guincho Marcão para fora do atoleiro, que usou seu guincho para me puxar e fomos assim, um puxando outro para trás até conseguir chegar à beirada do atoleiro, quando Hugo foi puxar o Troller. Nossa primeira baixa, o guincho da Land Rover foi pro saco, mas conseguiu no tranco tirar o Troller, que no guincho foi tirando Marcão que foi me tirando com seu guincho.
 
Um trabalho longo e técnico ai o cabo do guincho do Troller arrebentou em dois lugares, menos um guincho. Hugo atolou, o Troller tirou, Marcão foi puxado pelo Troller, Ranger livre, agora só faltava a Hilux, várias cintas IRONMAN e um cabo de aço de 20mts e pescamos a Hilux, puxando de longe a Hilux foi saindo, mas antes disso entrou mato a dentro e um tronco amassou porta e paralama, cicatrizes de guerra, mais algumas! Rsrsrs...
Já era dez da noite e mais de 5 horas em um único atoleiro, resolução, retornar até um igarapé e acampar, no dia seguinte estudaríamos a solução para passar no atoleiro, agora com menos dois guinchos e com a homocinética da Ranger prestes a estourar.
 
Na volta para achar um local bom de acampar Hugo atola, puxei a Land e 500mts depois encontramos dois homens na estrada, estavam observando o movimento e moravam em um sítio, um de frente ao outro, conversamos e um deles ofereceu sua casa para acamparmos na frente. Uma casa humilde, mas um local bom para montar acampamento e comermos o arroz do Cabaré. Noite adentro comendo, bebendo cerveja, vinho, água e conversa fora. Começou a chover e todos foram dormir, Landry e Leandro na barraca de chão, Hugo e Marcão em suas barracas de teto, Cabaré dentro da casa do anfitrião em um colchão e eu como queria dormir na rede e estava chovendo e na casa não tinha espaço fiquei dentro do carro, uma noite dormindo no banco da Hilux! Ai minha coluna!
 
Choveu muito, a noite inteira, madrugada toda e amanheceu chovendo. Lá pelas sete da manhã a chuva deu trégua e tomamos a decisão de que após toda essa água seria impossível chegar a Lábrea, tínhamos avançado quase 100km, estávamos perto do Estreito e não seria possível fazer o restante do trajeto, ainda mais com dois guinchos a menos e a homocinética da Ranger apresentando problemas.
 
Começos à volta e os atoleiros que tínhamos passado com facilidade no dia anterior estavam ficam quase intransponíveis, mais algumas atoladas e em uma delas levamos mais de 2 horas para tirar o Troller de Cabaré. Os atoleiros com a chuva se juntaram e pasmem, pegamos trechos com mais de 2 km de atoleiros pesados, andávamos em quarta e quinta marcha reduzida com pé enfiado.
 
Passamos os atoleiros e logo depois estávamos novamente em Humaitá, mesmo não tendo chegado a Lábrea todos estavam felizes com a aventura e programando nosso retorno em 2013. Estava assim encerrado oficialmente a TAC 2012 e com chave de ouro, nossos carros estavam podres de lama e cheios de cicatrizes de guerra.
Confira todos os relatos da Expedição no TAC4x4.com.

 

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Página 9 de 69